3 Anos de blog

Há 3 anos comecei este blog.

Na altura era uma recém-casada a dar os primeiros passos na carreira e com uma casa para gerir pela primeira vez. Coincidiu com uma fase em que os meus amigos mais próximos foram viver ou estudar para fora e fui sentindo progressivamente algum isolamento pela quantidade de tarefas novas que tinha a cargo + maior dificuldade em aceder aos amigos.

Esta foi, então, uma forma de contar alguma coisa sobre a minha vida e sobre as minhas ideias/opiniões a quem quisesse saber! Tive um excelente feedback inicial e os meus amigos e conhecidos enviavam-me mensagens a incentivar bastante a que continuasse a escrever.

Com o aumento de visualizações e crescente onda de reações de quem ia lendo o blog fui sentindo maior pressão para criar conteúdo, para conquistar publico, para tornar isto em algo mais a sério. Por outro lado, também fui sentindo o peso da exposição porque me ia apercebendo que imeeeeensa gente aleatória sabia sobre a minha vida e sobre o que pensava sobre determinado assunto, e isso, em fases mais sensíveis da minha vida, incomodou-me.

Portanto, fui vagueando por várias fases:

  • “Quero mesmo investir no blog”
  • “Quero lá saber do blog”
  • “Esta ideia foi ridícula!”
  • “Whatever”
  • “Escrevo quando me apetece e pronto.”

Neste momento estou numa de “escrevo quando me apetece e sobre o que quero” porque me apercebo que é isso que me dá prazer. Não será a melhor estratégia para ter um blog de sucesso mas eu só quero ter o MEU blog.

Quem me foi acompanhando reparou que houve períodos (longos) em que não publiquei nada. E aviso: vai continuar a acontecer. Porque há momentos em que simplesmente não tenho nada para dizer.

E como leitora cada vez mais assídua de outros blogs/contas de instagram, apercebo-me de que a coisa que mais me faz perder o interesse são posts vazios ou forçados que, infelizmente, é o que encontro mais. Já nem falo de posts patrocinados ou politicamente corretos (estilo “dia da mulher”), falo, por exemplo, de quando nos saturam com a mesma sessão fotográfica nas várias redes ou quando nos vêm dizer nada sobre um assunto qualquer.

Portanto, 3 anos… YAY! Vamos ver quantos mais irei celebrar 🙂

Anúncios

Ter a serenidade para esperar

Sempre fui uma pessoa apressada – estou sempre ansiosa pela próxima fase ou evento de vida. Vivo com pressa e com vontade de fazer tudo ao mesmo tempo! Sempre fui assim, desde que me lembro.

Tenho muita gente que não entende esta minha forma de ser à minha volta. Que me dizem que só a minha presença já stressa toda a gente na sala! Mesmo que eu esteja quieta numa cadeira. É certo que, se estiver sentada no sofá imóvel, a minha cabeça, provavelmente estará a mil.

Com esta “brincadeira” do descolamento vou estar 1 ano parada, ao todo – ou seja, sem trabalhar. Claro que este ano está a ser dividido por fases – 2 meses de repouso absoluto na cama, mais 5 de descanso moderado e os restantes já com o bebé para tratar e conhecer – se Deus quiser.

Estes tempos “desocupados” têm sido um exercício difícil de superar. Porque tenho muitos momentos de impaciência, de ansiedade, de sentimentos de inutilidade, de desespero por querer produzir alguma coisa!

Nesta última semana fiquei doente. Sempre ignorei as minhas doenças e sou defensora da máxima “ignora que passa” – sempre resultou comigo. Não sei se será por estar mais fragilizada com a gravidez ou porque não posso tomar nada para além de Ben-u-rons mas estou cada vez pior e já não consigo continuar com a vida normal para ver se passa.

Agora estou mesmo em casa, “dedicada” à doença! Esta ideia por si só deixa-me nervosa. Mas a verdade é que me apercebi que tenho sentido alguma tranquilidade. Não sei se esta será uma competência que se adquire ou se treina. Mas ultimamente tenho conseguido serenar, ter paciência para esperar e não sentir que me estão a esganar quando penso que ainda faltam 2 meses para o António nascer!

Claro que já tenho imensas ideias e planos para o futuro mas não sinto aquela habitual pressa de chegar lá, de sentir que “o tempo não passa”!

É bom sentir-me assim.

Um começo de ano… estranho

Como já escrevi aqui no ano passado, sempre liguei imenso à passagem de ano. Não só à meia-noite propriamente dita como principalmente àquilo que representa – a oportunidade de começarmos de novo!

Este ano, pela primeira vez, senti-me um bocado perdida sem saber que planos traçar, a que propósitos me deveria propor. Vivi o dia 1 com alguma ansiedade porque não tinha nada para começar ou para mudar! Pela primeira vez, que me lembre!

O ano de 2018 vai ser “partido ao meio” ou talvez em três partes: 1) continuação da gravidez (zzz zzz); 2) nascimento do António Maria e licença de maternidade; 3) regresso ao trabalho. São três etapas tão distintas que não consigo traçar um objetivo transversal, para todo o ano.

Vai ser um ano tão atípico que quase que já me apetece pensar nos propósitos para 2019! 😀 (tão eu…)

Compras de Natal

Adoro fazer compras de Natal! Adoro dar presentes. Pensar no que é que cada pessoa ia gostar mais de receber e procurar o presente ideal.

É a altura do ano que mais adoro passear nas lojas, especialmente nas ruas, mas também no shopping.

Adoro as decorações, as luzinhas, as músicas, os embrulhos caprichados, o ar alegre das pessoas e até os cheiros!

Mas também é a altura do ano em que mais me apetece ser rica. Gostava mesmo de poder dar bons presentes a toda a gente! Como tenho uma família grande, o budget definido para cada um é sempre baixo, por isso fico mesmo desconsolada por ter de procurar especificamente coisas de determinado valor; quando o presente ideal ia custar 10 vezes mais!

Quem me dera poder ir a uma ourivesaria e comprar um presente para a minha mãe, avós, tias, irmãs, amigas etc!

Mas não… ainda não chegou o dia. Nem me parece que esteja perto. A não ser que me saia amanhã o Euromilhões ! 😀 O que importa é manter a esperança! Ainda que nunca me tenha saído nem o último prémio…!

Ano novo, Vida nova!

Resultado de imagem para this year i will

Eu faço parte do grupo que gosta da passagem de ano! Ligo imenso a este momento único no ano em que nos é permitido fazer um reset na nossa vida, sabendo que o dia 1 de janeiro é imediatamente a seguir ao 31 de Dezembro mas que podemos começar uma vida nova !

Digo vida nova, não me referindo a grandes marcos ou acontecimentos, mas à força que todos sentimos para melhorar quando nos é dada esta “oportunidade”.

O ser humano não consegue estar sempre no auge da sua motivação, das suas qualidades e desempenho. Mas o potencial está sempre connosco, a toda a hora. Estes momentos de paragem, de fôlego, são importantes para nos permitir “começar de novo”.

Falo da meia-noite mas acho que toda a semana anterior se revela crucial para esta mudança. É uma semana em que nos permitimos cometer excessos, preguiçar, não nos esforçarmos para nada, descansar, conversar, matar saudades uns dos outros – SEM CULPAS! E isto é maravilhoso.

Pelo menos nas próximas duas/três semanas, vamos ter força para cumprir aquilo a que nos propusemos apoiados na ideia de “na última semana do ano já aproveitei o suficiente”.

Gosto tanto de definir propósitos (e também porque sou uma ansiosa crónica) que nos últimos dias do ano já só quero que comece um novo ano para começar a pô-los em prática – mas começar a cumprir os propósitos antes do inicio do ano sabe só a absurdo. Não é permitido.

Este ano, como nos outros, tenho muitos propósitos! O maior problema é que não são conciliáveis 🙂 E é esta a magia do novo ano! Acreditarmos que vamos ser capazes de tudo, estarmos motivados para sermos melhores nas mais variadas vertentes – querer aproveitar todo o nosso potencial!

Se daqui a um mês estou desiludida comigo, paciência, por esta sensação – já valeu!

Bom ano!!

 

Sad rainy days

Nem acredito neste tempo horrível depois daqueles dois dias maravilhosos…! E é ainda mais triste olhar para as previsões dos próximos dias…

Lembro-me de há uns anos a minha mãe queixar-se do tempo e eu dizer que para mim era um bocado indiferente, sobretudo estando em tempo de aulas, se está a chover ou se está sol. Nem sei como não ligava porque nessa altura andava bastante a pé e de autocarro/metro porque andava ainda no secundário no Porto e vivia em Vila do Conde.

Hoje em dia, o tempo tem imensa influência no meu estado de espírito! Por isso, passar de um dia de look total white e sandálias, para leggins pretas e botas de cano alto… Ui. Custou. Ainda por cima com a Luisinha a chorar todo o dia – ontem foi dose.

TotalWhite

Vamos ver como corre hoje!

1 YEAR OF BLOGGING

baloesRecebi uma notificação a lembrar que hoje o blog faz 1 ano!

Há um ano decidi criar o blog depois de algum tempo a pensar sobre se o devia fazer ou não – em todo o lado lia que o mais importante na manutenção de um blog é ser assíduo, criar conteúdos apelativos, definir quem é o meu target e adequar o blog às suas características etc etc. E isso não era o que eu queria! Não queria ter uma “prisão” que me criasse stress e ter de pensar em conteúdos pré-fabricados para ir ao encontro do que as pessoas gostam de ler.

Apesar disso, decidi arriscar porque, por um lado, isto não é um projeto profissional que envolvesse investimento nem tinha grandes expectativas…

Criei just for fun! E é assim que tem sido – falo sobre o que me apetece e quando tenho realmente alguma coisa a dizer.

E tem sido top!

 

Para quem me lê: é isto que podem esperar – temas diversos, assim como é a vida – posts sobre o que me vai na cabeça ou sobre o que estou a viver.

E quando? Quando bem me apetecer!

1 ANOO!! YAY!